Vacina contra a COVID-19

A vacinação contra o SARS-CoV-2 ajuda o corpo a desenvolver imunidade contra o novo Coronavírus (SARS-CoV-2) que causa a COVID-19, sem a necessidade de desenvolver a imunidade natural que decorre de contrair e recuperar da doença.

Mesmo após a vacinação, o desenvolvimento de uma resposta imunitária requer algum tempo. É fundamental continuar a praticar a prevenção, higienizando as mãos, usando a máscara e mantendo o distanciamento de segurança, por dois motivos:

  • O desenvolvimento da imunidade requer tempo e poderá não ser total.
  • Neste momento, não sabemos se a vacinação irá evitar a disseminação do vírus, pelo que as pessoas vacinadas poderão propagar a doença.

Perguntas frequentes sobre a vacinação

Porque é importante ser vacinado?

A vacinação contra o SARS-CoV-2 pode reduzir significativamente o risco de contrair o vírus e desenvolver a COVID-19. Se adoecer com COVID-19, a vacinação pode reduzir o risco de complicações mais graves. Existem e existirão diferentes tipos de vacinas disponíveis contra a COVID-19.

A maioria das vacinas contra o SARS-CoV-2, necessitam da toma de duas doses, de modo a serem eficazes. Ambas as tomas terão de ocorrer num prazo específico (por exemplo, 21 dias após a primeira toma).

As vacinas contra a COVID-19 irão proporcionar proteção a longo prazo?

Atualmente não existem evidências suficientes sobre a duração da imunidade. Os especialistas têm de recolher mais evidências ao longo do tempo sobre a proteção proporcionada pela vacinação, de modo a estimar a duração da imunidade.

O que devo dizer à equipa da clínica antes de ser vacinado?

Antes de ser vacinado, partilhe com a equipa da clínica se já teve uma reação alérgica grave. De acordo com decisões médicas, algumas vacinas não podem ser utilizadas em pessoas que previamente tiveram reações alérgicas graves.

Se estiver atualmente doente e tiver febre (>38,5 °C de temperatura corporal), deve adiar a sua vacinação até estar recuperado. Se tiver sintomas, deverá informar os profissionais da clínica responsáveis pela vacinação. Será tomada uma decisão médica sobre se deve ser vacinado ou se a vacinação tem de ser adiada.

Quais são os sintomas habituais e os efeitos secundários que poderá sentir após a vacinação?

Em geral, após a vacinação, o sistema imunitário começará a ativar-se, o que pode resultar em sintomas, tais como braço dorido, fadiga, dores de cabeça, febre ligeira. A maioria dos efeitos secundários da vacinação padrão são ligeiros e não devem durar mais de uma semana. Os potenciais efeitos secundários resultantes da vacinação contra o SARS-CoV-2 serão indicados nas instruções de utilização da respetiva vacina e o seu médico assistente informá-lo-á e discuti-los-á consigo.

No caso raro de uma reação alérgica, esta ocorrerá geralmente no prazo de minutos após a vacinação. A equipa da clínica recebe formação para lidar com reações alérgicas e tratá-las imediatamente.

Após a vacinação, poderá sentir estes sintomas, que indicam que o seu corpo está a responder à vacinação. Normalmente, os sintomas não duram mais de três dias:

  • Dor ou inchaço no local da injeção
  • Fadiga
  • Dor de cabeça e febre ou sensação de frio
  • Dores nas articulações
  • Náuseas

Após a vacinação tenho que continuar a praticar as medidas de prevenção?

Atualmente não existem evidências suficientes sobre a duração da imunidade. Os especialistas têm de recolher mais evidências ao longo do tempo sobre a proteção proporcionada pela vacinação, de modo a estimar a duração da imunidade. Por conseguinte, continuará a ser importante praticar a prevenção através do uso de máscara, da higienização regular das mãos e do distanciamento social. Com base nas evidências recolhidas ao longo do tempo, os especialistas poderão recomendar futuramente os intervalos de vacinação adequados.

Isto também se aplica às pessoas que já contraíram e recuperaram da COVID-19. Atualmente existem poucas evidências sobre a duração da imunidade natural. Por conseguinte, também é recomendado que as pessoas que recuperaram da COVID-19 sejam vacinadas.

Quão rapidamente poderiam as vacinas contra a COVID-19 travar a pandemia?

O desenvolvimento da pandemia COVID-19 depende da eficácia, da disponibilidade e da vontade das pessoas em vacinarem-se. É muito provável que as vacinas não proporcionem uma proteção total contra a COVID-19.

No entanto, a redução significativa do risco de contrair COVID-19 e também a redução do risco de propagação da infeção a outras pessoas são as formas mais eficazes de travar a pandemia ao longo do tempo.

Como é que as vacinas estimulam a resposta imunitária do corpo humano?

Quando os germes ou os vírus, como o vírus SARS-CoV-2 que causam a COVID-19, invadem o corpo humano, começam a atacar as células e a multiplicarem-se. Talvez já se tenha deparado com o termo antigénios, que é o nome da categoria de todos os germes, vírus ou outros microrganismos prejudiciais que invadem o corpo humano. A invasão é chamada uma infeção.

Como parte do sistema imunitário humano, os glóbulos brancos combatem as infeções, removendo germes, vírus e células humanas infetadas. Durante este processo de remoção, o sistema imunitário cria anticorpos. Cada tipo de anticorpo é único e defende o corpo contra um tipo específico de antigénio.

As vacinas ajudam o corpo a desenvolver imunidade sem que tenhamos de contrair a doença, através da simulação de uma infeção. A reação imunitária à vacinação deixa células-memória que se lembrarão de como construir os anticorpos necessários e de como combater esse vírus no futuro.

O desenvolvimento destas células-memória demora algumas semanas após a vacinação.

Que tipo de vacinas contra a COVID-19 estão em desenvolvimento/disponíveis?

Atualmente existem três tipos principais de vacinas contra a COVID-19 disponíveis e em desenvolvimento:

  • vacina de ARN mensageiro
  • vacina de vetores virais
  • vacinas de subunidades proteicas

O que é uma vacina de ARN mensageiro?

Cada vírus possui uma superfície proteica única. Uma das proteínas da superfície do vírus é o alvo da reação imunitária induzida pela vacina.

Estas vacinas apresentam ao corpo a instrução de como produzir estas proteínas inofensivas. Como reação do sistema imunitário, o organismo reconhece que a proteína não deve estar presente e lembrar-se-á de como detetar e combater o vírus no futuro.

Estas vacinas não contêm vírus vivos e, portanto, não podem causar a COVID-19.

O que é uma vacina de vetores virais?

Estas vacinas utilizam um vírus modificado para infetar células e fornecem o código genético para a produção da proteína de espigão do vírus SARS-CoV-2. Quando o vetor viral se encontra no interior das nossas células, o material genético apresenta instruções às células para produzirem uma proteína única para o vírus. As células começarão a produzir cópias da proteína. Como reação do sistema imunitário, o organismo reconhece que a proteína não deve estar presente e lembrar-se-á de como detetar e combater o vírus no futuro.

O que é uma vacina de subunidades proteicas?

Estas vacinas contêm uma parte inofensiva do vírus, que são as proteínas. Como reação do sistema imunitário, o organismo reconhece que a proteína não deve estar presente e lembrar-se-á de como detetar e combater o vírus no futuro.