A NephroCare utiliza cookies no site para melhorar a experiência do utilizador e fornecer o melhor serviço possível. Ao continuar a navegar no site, irá concordar com a sua utilização. Para mais detalhes, consulte a nossa política de privacidade.

Dr. Thomas Raphael

Thomas Raphael, nefrologista da NephroCare Marne la Vallée, Presidente da Comissão Médica e Coordenador Médico da NephroCare Marne la Vallée partilhou a sua história connosco.

Thomas Raphael de 42 anos juntou-se à NephroCare em 2004, quando o Hospital Privado de Lagny, onde trabalhava como nefrologista desde 2001, foi adquirido pela Fresenius Medical Care. Em maio de 2013, o Dr. Raphael e a sua equipa foram transferidos para as novas instalações do hospital de Lagny Marne la Vallée e o centro adotou o novo nome de NephroCare Marne la Vallée.

Um desejo de infância

A medicina foi sempre a vocação do Dr. Raphael. “Cresci numa casa de médicos,” contou. “O meu pai era professor de medicina de cuidados intensivos. Toda a vida quis seguir os seus passos. Por isso, depois de terminar a escola, fui estudar para a faculdade de medicina do hospital universitário de Pitié Salpêtrière em Paris e formei-me em 1996. O meu pai foi e continua a ser o meu modelo a seguir – sempre tentei estar à altura do seu sentido de integridade e ética”.

Ainda antes de ser aceite, o Dr. Raphael disse que percebeu rapidamente que a monitorização a longo prazo dos doentes era aquilo que realmente queria fazer. “Um dos grandes motivadores da minha carreira foi sempre o desejo de ajudar os doentes a tornarem-se pessoas fortes. Tento fazê-lo ao dar-lhes um apoio especializado e ao acompanhá-los e às suas famílias nesta viagem que é a diálise de modo a estarem mais envolvidos e a tornarem-se mais ativos. Durante o meu ano de investigação, passei algum tempo a fazer turnos na policlínica de Lagny, especializando-me em nefrologia. Fui imediatamente sensibilizado pelo cuidado, profissionalismo e abordagem altamente responsável da equipa de nefrologia. Por isso regressei a Lagny e juntei-me à equipa em janeiro de 2001 com o objetivo específico de trabalhar na prevenção de doenças nefrológicas”.

Agora, uma década mais tarde, o Dr. Raphael tem uma enorme experiência e é o coordenador clínico do hospital e presidente da comissão médica. “O nosso principal objetivo no centro de diálise NephroCare Marne la Vallée é desenvolver relações fortes com todos os departamentos do hospital, sobretudo o de medicina interna e cardiologia. Também damos consultas de nefrologia no hospital”.

Construído a pensar nos doentes

Inaugurado em maio de 2013, o NephroCare Marne la Vallée foi construído para ser um ambiente de tratamento agradável e acolhedor. Estas instalações construídas propositadamente têm como objetivo garantir a máxima segurança e bem-estar para os doentes. “A nossa nova instituição foca-se na prevenção da doença renal e no tratamento e monitorização de doentes renais crónicos da melhor forma possível”, continua Dr. Raphael. “Como resultado, os médicos e técnicos do hospital consideram-nos um parceiro de referência local para a despistagem precoce da doença renal e subsequente monitorização”.

Um dia normal

O dia do Dr. Raphael começa cedo. “Acordo às 5 da manhã, tomo um café, vejo os meus e-mails e vou até ao centro”, explica. “Quando chego ao centro de diálise por volta das 6:30h, passo uma hora ou duas a ler os relatórios do dia e a preparar as consultas. O resto do dia é ocupado com várias atividades. Durante a manhã e tarde visito os doentes que fazem diálise, monitorizo as suas sessões de diálise e apoio o pessoal médico. Também revejo os processos dos doentes, atualizo as suas prescrições e dou consultas de nefrologia externas. As componentes mais importantes do meu trabalho diário são o contacto com os doentes e a colaboração com a minha equipa. É muito mais do que apenas a diálise – trata-se de proporcionar cuidados completos”.

Ajudar os doentes a serem pró-ativos

“A participação dos doentes é extremamente importante e é algo que me diz muito”, afirma o Dr. Raphael com entusiasmo. “Colocar os doentes de novo no centro do sistema de cuidados de saúde, deixá-los ter um papel ativo no seu tratamento e ajudá-los a tornarem-se mais fortes é o cerne do nosso trabalho. Temos esta abordagem com todos os doentes”. Por isso, o centro tem um programa de consulta de enfermagem pré-dialise e de educação terapêutica nas quais os doentes participam.

O apoio terapêutico personalizado é dado e são realizadas reuniões com o pessoal médico como, por exemplo, nutricionistas, psicólogos e conselheiros antes dos transplantes. “Oferecemos aos nossos doentes workshops educativos adequados às suas necessidades”, continua o Dr. Raphael. “Os nossos workshops e sessões de formação abrangem todos os tipos de matérias – como aplicar um penso anestésico, como monitorizar os níveis de açúcar no sangue, como tomar a medicação corretamente e por aí em diante. Pretendemos expandir este plano proporcionando aos doentes ainda mais formas de aumentar o seu envolvimento e de assumir o controlo do seu tratamento numa base personalizada”.

Segundo o Dr. Raphael, os fatores intangíveis também são muito importantes. “Sofrer de doença renal crónica é uma viagem psicológica, social e emocional muito atribulada tanto para os doentes como para as suas famílias. Por isso, uma boa comunicação entre a equipa médica e os doentes é fundamental. Os doentes só podem desemprenhar um papel mais ativo nos seus próprios cuidados se estiverem bem informados e se confiarem nos seus prestadores de cuidados. No final do dia, não há nada que considere mais motivador – ou mais recompensador – do que ver a equipa médica e os doentes satisfeitos e felizes”.