A NephroCare utiliza cookies no site para melhorar a experiência do utilizador e fornecer o melhor serviço possível. Ao continuar a navegar no site, irá concordar com a sua utilização. Para mais detalhes, consulte a nossa política de privacidade.

Dr. Michael Kokinov

A República da Mordóvia, é um pequeno estado russo, localizado no coração da metade europeia deste enorme país. Na capital de Saransk poderá encontrar o Centro de Diálise de Saransk da NephroCare que abriu as suas portas em novembro de 2009. É aqui que o Dr. Michael Kokinov e os seus colegas prestam atualmente cuidados da melhor qualidade a 140 doentes que sofrem de doença renal crónica.

Uma carreira natural

Algumas pessoas podem dizer que ser médico lhes está nos genes. O Dr. Kokinov soube sempre que queria seguir os passos dos avós, que ele respeitava muito, ao estudar medicina. Eles inspiraram-no a cuidar e a ajudar as pessoas em situações críticas. “Depois de terminar a escola, não tive dúvidas quanto à minha escolha profissional”, afirma Kokinov. Começou por estudar para ser médico dos cuidados intensivos e anestesista porque isto lhe permitia realizar o seu desejo de se especializar em algo que requeresse conhecimentos e capacidades práticas de excelência. Contudo, mais tarde Kokinov voltou a estudar, ingressando na Universidade de São Petersburgo para perseguir a sua verdadeira paixão: a nefrologia.

Desde o início

Quando abriu as suas portas pela primeira vez em 2009, a equipa do Centro de Diálise de Saransk, localizado a aproximadamente 630 quilómetros a leste de Moscovo, tratava apenas 50 doentes com doença renal crónica. Desde então, o centro quase triplicou os tratamentos, cuidando agora de 140 doentes. Os doentes e o centro beneficiam de uma equipa que adora o seu trabalho. Kokinov tem “um enorme orgulho” na forma como os colaboradores do centro cresceram em conjunto para formar uma equipa coesa.

Quatro médicos, 15 enfermeiras, 11 auxiliares, um enfermeiro-chefe, uma secretária, um engenheiro e um técnico mantêm o Centro de Diálise NephroCare de Saransk a funcionar diariamente.

O primeiro a acordar

Como diz o ditado, Deus ajuda quem cedo madruga. E o Dr. Kokinov tem vivido há muito de acordo com esta expressão. Num dia normal, este médico de 42 anos acorda antes do sol nascer, às cinco da manhã, para ir nadar numa piscina local antes de ir para o trabalho. “Isto deixa-me cheio de energia e ajuda-me a manter acordado durante todo o dia”, diz Kokinov. Depois de chegar ao centro, o médico discute os problemas atuais com os seus colegas e com o pessoal técnico. Isto garante que os doentes recebam sempre o melhor nível de cuidados.

Depois, o Dr. Kokinov dá início à sua parte preferida do dia: fazer as rondas para ver os seus doentes. O nefrologista não se coíbe em afirmar que o bem-estar e cuidados aos doentes é a sua maior prioridade. Só depois de fazer a ronda é que o Dr. Kokinov tem tempo para os restantes deveres que vão desde o controlo de receitas médicas, ver a correspondência, até às reuniões com os chefes dos serviços públicos de saúde da região.

Os cuidados de qualidade são a chave

“Os padrões de qualidade adotados pela nossa empresa são muito elevados”, diz Kokinov. “Só através do cumprimento destes padrões é que podemos dar aos nossos doentes um tratamento completo”. O Dr. Korkinov e a sua equipa sabem que um tratamento de sucesso requer uma coordenação detalhada entre médicos e enfermeiros. Por isso, o pessoal participa em sessões de formação frequentes, em aulas teóricas e práticas e em cursos de extensão empresariais na Internet.

De acordo com Kokinov, falar pessoalmente com os doentes, conhecer os seus interesses e preocupações, criar um ambiente emocional favorável e prestar apoio psicológico tem também um papel fundamental na prestação de cuidados de qualidade no centro. A sua abordagem parece ser um sucesso!

Capacitar os seus doentes

Cuidar devidamente dos 140 doentes do Centro de Diálise de Saransk é apenas uma componente do tratamento de sucesso, destaca Kokinov. Educar os doentes sobre como viver – e desfrutar da vida – com a doença renal crónica é outra componente fundamental. “Os doentes que vêm obter tratamento têm diferentes níveis de conhecimentos médicos. “Por vezes não sabem nada de nada”, afirmou. Muitos sentem-se confusos quando entram no centro de diálise pela primeira vez e é o seu papel agir como um missionário.

Kokinov acredita numa abordagem prática relativamente à aprendizagem. Ensina aos doentes a forma correta de fazer as coisas, partilha os conhecimentos necessários relativos à escolha dos tratamentos, explica qual a terapêutica que deve ser seguida, faz recomendações relativas à alimentação e à higiene, e dá a conhecer a diálise em férias como forma de manter uma vida ativa. “Com estes conhecimentos os doentes deixam de se sentir indefesos. Tornam-se colegas dos médicos e das enfermeiras no que toca a cuidar da sua saúde, uma tarefa que exige continuidade”, afirma Kokinov.

Parte do programa do centro tem objetivo de educar e capacitar os doentes, isto inclui, convidá-los para seminários regulares onde são abordados diversas temas relacionadas com a diálise. Os doentes que fazem diálise em Mordóvia são especialmente afortunados. Estes fundaram um grupo de apoio regional para promover os seus interesses e organizaram recentemente um encontro com o Ministro da Saúde no centro. “Os nossos afortunados tiveram uma oportunidade para partilhar pessoalmente os seus problemas com o ministro e com os seus assistentes e obter as respostas às suas perguntas”, disse Kokinov. O encontro foi um enorme sucesso: todas as decisões, incluindo as que diziam respeito à provisão de medicamentos, foram realizadas no local. “Acho que esta experiência podia ser repetida noutras regiões”.

Ter tempo para relaxar

Recentemente, os amigos do Dr. Kokinov abriram um café com a temática do rock nos arredores de Saransk. O médico tornou-se uma presença assíduo nas noites de sexta, dedicadas ao blues e ao rock. É uma altura da semana em que pode descontrair. Sendo um adepto de longa data do FC Mordovia, ele e o filho Yura gostam de ir ao estádio apoiar a sua equipa nos jogos em casa.

“Todas as pessoas deviam vir a Saransk para assistirem a um jogo no Mundial de Futebol da FIFA de 2018! A nossa cidade é linda”. Quando tem tempo livre, o nefrologista também gosta de pescar. “Mas só pesco no verão com uma cana”. Mas, para ele, o importante na pesca é o processo, não os resultados. “Não importa se levo ou não um peixe para casa. É a energia que o dia me deu que conta”, afirmou. Palavras de um homem sábio com um enorme e carinhoso coração.