A NephroCare utiliza cookies no site para melhorar a experiência do utilizador e fornecer o melhor serviço possível. Ao continuar a navegar no site, irá concordar com a sua utilização. Para mais detalhes, consulte a nossa política de privacidade.

Doença Cardiovascular

Doença cardiovascular e a diálise: O que tem de saber para se manter saudável

Como possivelmente já saberá, um grande número de doentes submetidos a diálise é afetado por diversas patologias do sistema cardiovascular. A boa notícia: com os cuidados certos e as medidas de proteção adequadas, existem formas de abrandar ativamente a progressão da doença cardiovascular e melhorar o prognóstico, ou mesmo reduzir o risco de desenvolvimento.

O papel desempenhado pelo sistema cardiovascular

Em conjunto, o nosso coração, veias, artérias e capilares são conhecidos como o sistema cardiovascular. As principais funções deste sistema são fundamentais para nos manter vivos e saudáveis: garante que o sangue se desloca do coração para os pulmões e para o resto do organismo para lhe fornecer oxigénio. Contudo, no caso das pessoas com doença cardiovascular, o organismo não tem capacidade para realizar estas importantes tarefas tão bem como deveria.

Doença cardiovascular: um olhar mais próximo

O termo doença cardiovascular é, na realidade, erróneo: não se trata apenas de uma doença mas, ao invés, de uma gama de doenças, incluindo hipertensão, aterosclerose, doença coronária e AVC. Algumas das patologias ocorrem com mais frequência do que outras. A doença cardiovascular pode fazer com que o coração de uma pessoa deixe de bombear o sangue com eficácia, impedir que as válvulas funcionem conforme deveriam e estreitar ou endurecer as artérias. Determinadas toxinas ou bactérias podem também causar lesões em partes do coração e dos vasos sanguíneos.

Por que razão os doentes submetidos a diálise estão em risco?

Sofrer de doença renal crónica coloca-o numa situação de risco aumentado quanto ao desenvolvimento de doença cardiovascular: por isso é tão importante cuidar de si, ir às consultas marcadas e seguir as indicações do médico. Um motivo deste risco aumentado é o facto de a diabetes e a tensão arterial alta, duas patologias que, se não forem controladas, podem danificar os vasos sanguíneos, e serem duas das principais causas da doença crónica. Regra geral, as lesões nos rins podem causar igualmente tensão arterial alta, um fator de risco da doença cardiovascular. Níveis altos de homocisteína e de cálcio e fósforo, além de anemia, são outras complicações frequentes da doença renal crónica que podem também contribuir para as doenças cardiovasculares. Porque é frequente estas patologias estarem associadas à doença renal, é especialmente importante que respeite o plano de tratamento desenvolvido pelo seu médico.

Hipertensão

A tensão arterial alta, ou hipertensão, é muitas vezes referida como “o assassino silencioso”. Esta alcunha provém do facto de muitas pessoas sofrerem de tensão arterial alta sem apresentarem sintomas. O valor da tensão arterial é composto por dois números: a pressão sistólica, o primeiro número, que representa a tensão quando o coração bate, e a pressão diastólica, o segundo número, que representa a tensão quando o coração se encontra na fase de relaxamento. Nos indivíduos com tensão arterial alta, o sangue percorre os vasos sanguíneos com força excessiva. Com o passar do tempo, tal danifica os vasos e coloca um indivíduo numa situação de maior risco de ataque cardíaco ou AVC. O seu médico verifica regularmente a tensão arterial para garantir que se mantém dentro do intervalo normal, reduzindo, assim, o risco de complicações.

Aterosclerose, doença coronária e AVC

Em linguagem leiga, a aterosclerose consiste no endurecimento das artérias, os vasos sanguíneos que transportam o sangue do coração para o resto do organismo. Tanto os depósitos gordos, conhecidos como placas, como os depósitos minerais provocam o endurecimento das artérias, o que reduz a quantidade de sangue que flui rumo ao coração. Um coração com falta de sangue pode causar sintomas, como a dor torácica, ou causar um ataque cardíaco. O endurecimento das artérias é também a principal causa da doença coronária, o termo que designa qualquer patologia na qual o bloqueio ou o estreitamento causa um fluxo de sangue reduzido para o coração. Quando o cérebro não recebe oxigénio suficiente ou quando rebenta um vaso sanguíneo, pode ocorrer um AVC, o qual implica cuidados médicos imediatos.

Causas da doença cardiovascular

Tal como sucede com muitas patologias, são inúmeras as causas de doença cardiovascular, além de que podem variar de pessoa para pessoa. Alguns fatores de risco frequentes incluem uma fraca dieta, a obesidade, o tabagismo, o stress e um estilo de vida sedentário (é por este motivo que a escolha de um estilo de vida saudável é tão importante). As recomendações gerais que o seu médico pode fornecer para o ajudar a baixar ativamente o risco de desenvolvimento de doença cardiovascular incluem a ingestão de uma dieta equilibrada e com baixos níveis de sódio, a perda de peso, o abandono do hábito tabágico, a realização de mais exercício físico e uma melhor gestão do stress. A realização destas alterações pode começar por ser um desafio mas as mesmas são boas tanto para o seu sistema cardiovascular, como para os seus rins e para a sua saúde e bem-estar gerais.

Tratamento para pessoas com doença renal crónica

Conforme previamente referido, o seu nefrologista monitorizará e verificará regularmente sinais de doença cardiovascular. Tal inclui medir a tensão arterial e colher uma amostra de sangue para verificação de anemia. Na presença destes indicadores, o seu médico desenvolverá um plano de tratamento individual, o qual pode incluir medicamentos para baixar a tensão arterial alta ou o colesterol elevado. Serão avaliados e tratados outros desequilíbrios ou deficiências que o coloquem numa situação de risco maior de doença cardiovascular, tais como níveis altos de cálcio ou fósforo. Caso também sofra de diabetes, é fundamental manter o açúcar no sangue sob supervisão para proteger o sistema cardiovascular e os rins.

Porque os alimentos que come todos os dias podem também ter um efeito direto nos sintomas da doença cardiovascular, o seu nefrologista providenciará também que consulte um nutricionista especializado em cuidados renais. Juntos, desenvolverão um plano de alimentar delicioso mas nutritivo que o ajudará a sentir-se melhor e o manterá sempre nas melhores condições de saúde. Não se esqueça: seguir as recomendações do seu médico e do seu nutricionista e cuidar adequadamente de si próprio são as bases necessárias para viver bem em diálise e com doença cardiovascular. Proceder desta forma é fundamental para melhorar os seus resultados pessoais e aumentar a sua qualidade de vida global.

Diálise e a doença cardiovascular

Além de proceder a alterações ao estilo de vida, tomar a medicação e seguir o seu plano nutricional, foi demonstrado que determinados tipos de diálise (como a diálise Alto-Fluxo ou HighVolumeHDF®, juntamente com a gestão dos fluidos) limitam algumas das complicações associadas à doença cardiovascular. A Fresenius Medical Care promove um esforço consciente para fornecer a todos os doentes sob os seus cuidados opções de diálise que abrandam o desenvolvimento e a progressão da doença. Esclareça com o seu nefrologista quaisquer dúvidas que tenha acerca da sua situação pessoal na consulta seguinte.