Eu e os meus 4 rins

Na Hungria quase toda a gente conhece András Both ou, pelo menos, a sua voz. Ele é a "voz" do maior canal de TV privado na Hungria e um grande ator. Mas o que muitas pessoas não sabem é que ele também é o embaixador do Programa Nacional do Rim na Hungria. Após alguns anos a fazer diálise e, posteriormente, dois transplantes, András Both achou que era importante partilhar as suas experiências.

Adeus rins

Desde 1993 ou 1994, que eu sabia que um dia teria problemas com os meus rins. Naquela altura, a doença renal surgiu depois de uma infeção muito simples.

A primeira vez que percebi que algo não estava bem foi durante um dia de trabalho. Estava num ensaio e não era capaz de ficar em pé. O meu colega levou-me para casa e pensei que apenas precisasse de descansar um pouco.  Facto que não impediu a minha mulher de se preocupar. Consultámos um médico onde fiz uma  ecografia antes de me ser diagnosticada a doença renal poliquística. Eu nem sequer sabia o que era! Fui  encaminhado para um nefrologista , que me explicou que era um distúrbio cromossomático. O protocolo: Check-ups anuais para monitorizar a progressão da doença,  que mais tarde se transformou em check-ups de seis em seis meses.

No início, o meu nefrologista tranquilizou-me, provavelmente não iria precisar de tratamento até aos 50 ou 60 anos. Mas a vida é imprevisível e, de facto, precisei de cuidados mais cedo. A fadiga constante foi deixando-me mais em baixo. Olhando para trás, eu sei que era devido à incapacidade dos rins filtrarem o sangue adequadamente.

Em 2003, fui colocado em lista de espera para transplante e foi-me dito que, durante esse tempo, precisava de diálise. Aprendi também que o tempo médio de espera para um doador com o meu tipo de sangue, O, foi mais do que o dos outros. Não estava preocupado com a operação. Sabia o que esperar, até porque o meu nefrologista  já tinha discutido os detalhes comigo, e decidi não me preocupar com algo que está para além do meu controle. Também me lembrei que um alerta de que um rim está disponível não garante que um transplante seja realizado. Vários elementos devem estar reunidos para que o nefrologista possa avançar com a cirurgia.

Ligado à máquina

A minha primeira visita ao centro de diálise não foi para fazer o tratamento. Eu estive lá para fazer um check-up e olhava à volta com curiosidade. Eu queria sair de lá o mais rápido possível. "Eu, aqui?", pensei, "Eles não podem estar a  falar a sério!" Mas eu sabia que a diálise estava à minha  espera - e que iria manter-me vivo. Enquanto fazia diálise, tentei viver a minha vida e fazer as coisas que eu gostava. Ao fim de semana, eu tinha mais liberdade, embora tivesse que tomar a minha medicação, comer de forma inteligente e monitorizar os meus líquidos.

Nova cirurgia

A chamada para receber o meu segundo rim de doador também veio de forma inesperada. Mas desta vez sabia o que me esperava. Eu percebi o quão  importante era ter um bom relacionamento com o meu médico. Ele entendeu o que eu queria e eu segui as suas ordens para voltar a ser transplantado, o que fez com que o seu trabalho fosse mais fácil. Claro, também tive um pouco de sorte. Para a cirurgia, é necessário estar saudável - não estar constipado, ter gripe ou outros vírus. Tive a sorte de não estar doente quando recebi o segundo alerta

A cirurgia foi mais fácil da segunda vez, em parte por causa de avanços em suporte terapêuticos e técnicas cirúrgicas, achei a intervenção muito mais suave. Saber o que te espera tornou também o lado psicológico mais fácil. Já passaram quase três anos desde a cirurgia e eu vou de seis em seis meses ao check-up.

O primeiro alerta e cirurgia

No entanto, a minha esposa preparou uma mala para ir para o hospital que guardei no meu guarda-roupa. Assim, estava pronto para ir se recebesse um alerta. E, de fato, isso aconteceu, antes mesmo de eu começar com a diálise. "Bom dia, András Both", disse o coordenador ao telefone: "você tem um alerta." Mais uma vez a vida era imprevisível! Eu tive uma hora para chegar à clínica. Foi quando comecei a entrar em pânico.

De repente, a minha mente estava a trabalhar à velocidade da luz. Com quem devo falar? O que preciso para organizar? Eu tinha que chegar lá rápido, mas eu não sabia se ia ficar com o rim! Quando existe uma mensagem de alerta, vários pacientes são chamados e são necessários fazer uma série de testes. No hospital, eles colheram amostras de sangue para encontrar o destinatário mais adequado e, após cerca de uma hora, eu soube que o rim era meu.

Eu realmente não me lembro da operação. Eu só sei que doía tudo quando acordei. Naquela época, era uma técnica cirúrgica mais antiga e um tipo diferente de anestesia. Juntamente com os médicos e enfermeiros, verificamos se o rim tinha começado a trabalhar: e tinha! Depois tive que esperar por mais três ou quatro dias para ter certeza que o meu corpo aceitou o meu novo rim. Quando o momento chegou, fiz as malas e fui para casa.

Após a operação

Três meses depois, as coisas tomaram um rumo diferente. O meu nefrologista realizou uma série de testes e colocou-me um stent, uma estrutura tubular metálica, em forma de malha, para alargar uma artéria estreita, num vaso sanguíneo perto do rim. Finalmente, o meu rim de doador falhou, mas ainda tenho o rim no meu corpo!

A vida em família - regras de honestidade

Muitas pessoas têm me perguntado como é que a minha família lidou com a minha viagem pessoal. Eu sou um grande defensor da honestidade, por isso falei abertamente com todos - incluindo os meus filhos - desde o início. Ocasionalmente, eles visitavam-me durante a diálise, o que lhes deu uma percepção acerca desta parte da minha vida. Quando eu soube que o meu rim do doador não estava a funcionar, não deixamos com que a situação arruinasse as nossas vidas. Nós ainda viajamos e continuamos a viajar mesmo que seja necessário um melhor planeamento.

Será que uma pessoa transplantada vive mais saudável?

Desde o transplante, tornei-me mais preocupado com a saúde. O meu sistema imunológico está mais fraco por causa dos imunosupressores, pelo que tenho de cuidar de mim mesmo. Eu tomo os medicamentos prescritos e falo com o meu médico sobre tudo. Quando viajo, também verifico duas vezes se tenho as quantidades certas de todos os meus medicamentos. Além desse aspeto, vivo a mesma vida como todos os outros. Apenas com um pouco mais de cuidado e um pouco mais de consciência